Haitianos e dominicanos: A nefasta face da xenofobia e racismo na América Latina

Infográfico do NYT

Infográfico do NYT

Impasse entre a República Dominicana e o Haiti não é algo novo na história da América Latina. Em 1937, o ditador dominicano Rafael Leonidas Trujillo Molina deu ordem para suas tropas matarem todos os haitianos que viviam na República Dominicana, o massacre matou no mínimo 12 mil haitianos radicados na República Dominicana. Porém, a xenofobia e o racismo contra os haitianos na República Dominicana tem voltado com força no último período.

Entre 02 de outubro e 08 de outubro, centenas de soldados dominicanos fizeram varredura de uma vasta região, e, com a ajuda de alcaides pedáneos (autoridades políticas submunicipais) e alguns reservas civis, arredondado para cima 15 mil haitianos foram abatidos com facão. Os mortos nesta operação – ainda frequentemente chamada de El Corte (o corte) pelos dominicanos e de kout kouto-a (o esfaqueamento) pelos haitianos – eram em sua maioria pequenos agricultores, muitos dos quais tinham nascido na República Dominicana (e, portanto, eram cidadãos dominicanos de acordo com a constituição do país) e alguns cujas famílias viviam na República Dominicana por gerações. Os haitianos foram mortos mesmo quando tentavam fugir para o Haiti atravessando o rio que divide os dois país, por conta disso o rio é conhecido como Massacre River. Depois dos primeiros dias do abate, o posto de controle oficial e ponte entre o Haiti ea República Dominicana foram fechados, impedindo a fuga dos haitianos. Nas semanas seguintes, os sacerdotes locais e funcionários no Haiti registraram testemunhos de refugiados e compilaram uma lista que, finalmente, enumerou 12.168 vítimas. Posteriormente, durante o primeiro semestre de 1938, mais milhares de haitianos foram deportados à força e centenas mortos na região de fronteira do sul. (A World Destroyed, A Nation Imposed: The 1937 Haitian Massacre in the Dominican Republic)

Essa semana foi divulgado vídeo em que uma mulher haitiana é atirada no chão e um outro rapaz haitiano tem seus dreads cortados. As cenas são violentas e demonstram o quanto a lembrança do “Massacre de 1937” é muito presente no imaginário de dominicanos e descentes de haitianos na República Dominicana, um dado que salta os olhos para quem está acostumado a pensar a ação de grupos nazifascistas (majoritariamente caucasianos) no Brasil e na Europa que oprimem, violentam e matam negres, nordestines, nortistas, árabes e afins é o fato dos dos agressores que aparecem no vídeo nem de longe serem brancos. Inclusive, 11% da população dominicana é considerada negra e a maioria destas pessoas é considerada de origem haitiana.

Para além do vídeo divulgado esta semana, em fevereiro deste ano um haitiano foi linchado na República Dominicana e na mesma semana em que Tulile foi morto uma bandeira haitiana foi queimada por dominicanos em Santigo, a segunda maior cidade do país. Nas ruas de Santo Domingo, capital do país, também pode se encontrar pichações pedindo para que os haitianos saiam da República Dominicana.

Dos 9 milhões de pessoas que moram na República Dominicana, 500 mil são consideradas haitianas ou dominicanas com ascendência haitiana. E não apenas da xenofobia espalhada pelo imaginário coletivo dominicano atinge os haitianos e dominicanos descendentes de hatianos. Na verdade, a própria República Dominicana vem aplicando desde 2006 um processo de racismo institucional contra haitianos e dominicanos descendentes de haitianos. A população haitiana no país muitas vezes tem negadas suas certidões de nascimento e outros documentos necessários para registrar a cidadania na República Dominicana. Para corroborar com o racismo institucional perpetrado pelo governo dominicano, em 2013, a Suprema Corte Dominicana definiu que todos os haitianos na República Dominicana que não possuem documentação são desterrados e “em trânsito”. Tal política institucional abre uma vasta via para toda violência que hoje o povo haitiano radicado em território dominicano tem sofrido.

Manifestantes denunciam o estado racista da República Dominicana. Fonte:AP Photo/Dieu Nalio Chery

Manifestantes denunciam o estado racista da República Dominicana. Fonte:AP Photo/Dieu Nalio Chery

A situação de haitianos na República Dominicana não se difere da relação estabelecida entre Europa e países africanos. Em ambos os casos os setores mais vitimizados são aqueles usados como mão-de-obra barata. Óbvio que quando a economia dominicana cresce de forma satisfatória garantindo bem-estar econômico para os dominicanos os haitianos são tolerados no país, porém com o cenário de crise que se desenha no mundo e vem atingindo a República Dominicana o “sentimento” anti-haitiano” cotidiano entre dominicanos ganha mais força, a violência se aprofunda, inclusive fazendo o governo avançar numa possível política de deportação em junho de 2015.

Fonte: Socialist Action

Fonte: Socialist Action

O cenário de violência sofrida pelo povo haitiano ao longo das décadas na República Dominicana é um reflexo complexo de como países que muitas vezes sofrem com as imposições de países como a Europa e EUA. Muitas das violências sofridas pelos haitianos na República Dominicana são os mesmos que imigrantes latinos e negros sofrem nos Estados Unidos, com o advento da crise econômica que vem obrigando ajustes fiscais e planos de austeridades em diversos países populações que historicamente ocupam os lugares de párias sociais onde for tendem a virar alvo de violências mais atrozes ainda. É sempre necessário um bode-expiatório para justificar cortes de direitos e arrojos que ajudam a beneficiar empresas, burguesia e afins. Normalmente estes bode-expiatórios são quem mais precisa de proteção social e não violência social.

 

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Respond to Haitianos e dominicanos: A nefasta face da xenofobia e racismo na América Latina

Leave a reply

Basic HTML is allowed. Your email address will not be published.