A política racial dos personagens animais da Disney

Achei a entrevista bem interessante e resolvi compartilhar essa reflexão com vocês. O original é da editora do bitchmedia, Sarah Mirk, e pode ser acessado aqui. É importante lembrar que o processo do racismo nos EUA abarca não apenas a população negra, mas também latina. Por isso em vários momento traduzi a entrevista para não-brancos, pois se trata de uma abordagem feita pelos filmes da Disney de negres e latines. Acredito que é importante pontuar que a lógica construída Walidah Imarisha se apresenta também em como a Disney constrói também os grandes astros infantis, tem algo sobre isso aqui.

Atualmente, a Disney é uma das empresas de mídia mais influentes do mundo. É difícil acreditar que a Disney quase faliu logo depois que foi fundada. Em 1940, o estúdio tinha afundado US$ 2.300.000 para fazer o trabalho musical épico “Fantasia”. O filme foi uma perda financeira, e Disney tinha ultrapassado seus limites de crédito. Assim, o estúdio voltou-se para a história simples de um elefante voador para fazer algum dinheiro: Dumbo nasceu.

No filme, Dumbo faz amizade com um grupo de corvos. Talvez você viu Dumbo quando criança e não pensou muito sobre isso, mas escute novamente a música cantada pelos corvos (que, por sinal, foi carregado no YouTube por alguém que exige “PFV NENHUM COMENTÁRIO SOBRE RACISMO PQ NÃO É !! “)

Esses corvos estão claramente representando pessoas negras. Sua maneira de falar, suas roupas, até mesmo seus nomes são estereótipos raciais: O nome principal do pássaro é Jim Crow, em referência as leis de segregação racial dos EUA. Alguns dos corvos são dublados por atores negros, mas o próprio Jim Crow foi interpretado por Cliff Edwards, um ator branco e tocador de ukulele mais conhecido por dar voz ao Grilo Falante. Em muitos filmes, animais da Disney substituem as pessoas de cor – até Princesa e o Sapo de 2009, não houve grandes personagens humanos negros em qualquer filme de animação da Disney desde Tio Remus no infame racista Canção do Sul de 1946.

A acadêmica, escritora e ativista Walidah Imarisha é alguém que tem pensado seriamente sobre o que as histórias da Disney contam e os motivos. Ela ensina uma disciplina sobre raça e filmes da Disney na Universidade Estadual de Portland. Sua aula faz uma profunda leitura sobre Disney, olhando para o papel que a animação de animais desempenham na definição das percepções de raça, classe e gênero. Ela generosamente teve tempo para falar comigo para o podcast “Amigos animais” do Popaganda. Você pode ouvir a entrevista ou lê-la abaixo.

 

Sarah Mirk: Então um dos requisitos da sua aula sobre raça e filmes da Disney é que os alunos escrevam um ensaio pessoal sobre a sua história com a Disney. Então, eu estava esperando que você pudesse nos contar sobre sua história com a Disney. Querias ver um monte de filmes da Disney quando era pequena? E quando tu começaste a pensar criticamente sobre a forma como a Disney utiliza animais, com a preocupação racial, especificamente?

Walidah Imarisha: Certo. Eu acho que é realmente importante reconhecermos as maneiras que a Disney vem influenciando a todos nós, e eu acho que eu sinto que as pessoas ou amam Disney ou amam odiar Disney e, muitas vezes, não estão pensando sobre isso de uma forma holística. E então eu creio que para os estudantes que entram na minha disciplina, é realmente difícil criticar a Disney, certo? Porque a Disney tem sido parte da grande maioria de nossas vidas desde antes que pudéssemos lembrar de um tempo sem Disney. E eu acho que é muito importante reconhecer que isso é, na verdade, parte do plano de marketing da Disney, e seu objetivo é conquistar as pessoas quando elas são bebês, e é por isso que comercializam produtos para bebês, para obter as pessoas antes que elas saibam que não existe um mundo sem Disney, e ao mesmo tempo organizam este reino mágico e essa idéia de nostalgia para que eles realmente não serem inseridos no âmbito da crítica. Praticamente todas as vezes, eu sou acusada de arruinar a infância das pessoas [risadas]. E então meu objetivo é tentar e encontrar uma maneira de reconhecer que a conexão emocional dizendo que, na verdade, significa que temos de criticá-lo ainda mais, não menos.

SM: Isso é engraçado você apontar, eu mesma não me lembro de um tempo anterior do que quando descobri a Disney. É apenas sempre uma parte da sua cultura e sempre uma parte da sua vida. Disney é uma pedra de toque cultural, tais para a nossa cultura pop. É onde tudo começa.

WI: Sim, absolutamente. Quer dizer, eu penso que isso não pode ser exagerado, e novamente, que isso é um esforço concentrado da corporação Disney para infundir-se em cada parte da cultura americana. A outra coisa sobre a Disney é que a Disney trabalha tão duro para que as pessoas não  pensarem nela como uma corporação. E tem sido incrivelmente bem sucedida com isso, e muitos dos meus alunos têm uma dificuldade incrível em pensar na Disney como uma corporação. E eu vou dizer: “Ok, o que é a definição de uma corporação?” E nós vamos passar por isso. “Qual é o ponto de uma corporação? Ganhar dinheiro para seus acionistas.” Os alunos são muito claros sobre isso. Eu sou como, “Qual é o ponto da corporação Disney?” ” Fazer as pessoas felizes!” Certo?! Porque a Disney tem feito um trabalho fenomenal de marketing pa si mesma em um contexto global.

SM: Certo. Então vamos falar sobre um filme especificamente. Um dos primeiros filmes que discutem em sua aula é o ” O Livro da Selva” de 1967. Isto, naturalmente_ é um filme que é todo sobre animais. Tem o urso Baloo, há a pantera Bagheera , há Shere Khan, que é um tigre e é o vilão. Você pode falar sobre como você usa este filme para discutir raça com os seus alunos?

WI: Há grandes estudiosos que realmente olham para isso, sendo um deles Greg Metcalf que tem um artigo dizendo Jungle-Bookque, de muitas maneiras, “O Livro da Selva” é um repúdio completo da Disney a todos estes tempos de mudança. A década de 1960. O que estava acontecendo na década de 1960 neste país [EUA]? Bem, tudo [risos]. Temos movimento pelos direitos das mulheres, temos o início do movimento LGBT, nós temos obviamente o terceiro mundo, movimentos negro, latinos, asiáticos, de libertação indígena acontecendo aqui e no mundo, e “O Livro da Selva” é um repúdio completo a tudo isso. E se você passar, o que sai de forma tão clara quando você assistir a este filme é que há uma ordem natural das coisas. As coisas têm um fim natural. Todo mundo tem seu lugar em uma hierarquia, e é quando você sai desse lugar tudo se desmorona. E as coisas não podem voltar juntas, e a sociedade não pode funcionar a menos que todo mundo estiver no seu devido lugar. E vemos neste filme – especialmente com as diferenças entre o livro original de Kipling e as mudanças que a Disney fez para ele, _ _ enfatiza isso. Então, no livro, há uma razão para  Mowgli não poder voltar para a aldeia por um tempo, mas no final do filme, Shere Khan se foi. Mowgli liga aquela vara em chamas na sua cauda. Ele se foi, aparentemente nós ganhamos, não há mais perigo. Por que Mowgli não pode ficar na selva, certo? Então, essa não é a ordem natural das coisas. E eles reforçam isso de novo, de novo e de novo.

SM: Então, vamos falar sobre outro filme que você debatem na sua aula,que é “O Rei Leão”. Este filme é de 1994. Será que a mensagem permanece a mesma ao longo desses 30 anos, que as pessoas devem ficar em seu lugar, defender o status quo, colocar de igual para igual? Ou você vê uma diferença radical entre o modo como O Rei Leão lida com estas questões contra “O Livro da Selva”?

WI: Sim, eu acho que é uma ótima pergunta, acredito que a idéia da Disney – e há um artigo que fala sobre isso -é quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas. Que uma das coisas que torna a Disney incrivelmente uma empresa brilhante é que leva as críticas que são feitas  a ela, e a empresa aparentemente incorpora essas críticas, mantendo a mesma ideologia subjacente. Então, “A Pequena Sereia”, na verdade, foi uma resposta a uma crítica feminista sobre os velhos filmes de princesa da Disney como “Cinderela”, “Branca de Neve”, e meu deus, “A Bela Adormecida”, que passa a maior parte do filme seja cantando, limpando ou dormindo, estas não são mais imagens apropriadas para as jovens terem. Então eles lhe deram “A Pequena Sereia” que é uma personagem habilitada, jovem, mulher, forte, independente, aventureira até que ela vê um homem, e, em seguida, ela está disposta a desistir de tudo por ele. Então, quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas. E nós absolutamente vemos isso em “O Rei Leão” porque mais uma vez, temos os leões sendo codificados como a topo da hierarquia, a monarquia no poder, e assim sendo codificado como branco. E nós temos as hienas que são expressas por personagens não-brancos , e realmente os dois principais dubladores das hienas são não-brancos . Vemos as hienas ser codificado como pessoas não-brancas e de  guetos. Elas moram no ermo. Estão nas terras onde a luz não toca, onde nada cresce, e  estão morrendo de fome nessa analogia muito óbvia para as pessoas que estão em comunidades urbana, sobre-explorados, comunidades sub-dotadas de recursos . E quando as hienas deixar sua comunidade segregada e tentar assumir a liderança com o apoio de Scar, é quando tudo está destruído. A própria Hyenas-from-The-Lion-King-Que-Pasaterra se rebela contra essa ordem não natural das coisas. A água seca, não há comida para comer, como a própria terra se torna desolada, o sol vai embora. É apenas escuro, e há nada para comer, tudo é terrível por não manterem a ordem natural das coisas. É apenas quando essa hierarquia e a segregação são reinstituídas que nós vemos o sol , ele surge imediatamente , a água começa a fluir, os animais estão felizes, e tudo voltará a ser como deve ser.

Eu acho que a outra coisa sobre “O Rei Leão” que é tão importante é o fato deste filme, como você disse, saiu em 1994. Este era o momento do fim do apartheid legal na África do Sul, que Nelson Mandela chegou em casa, que nós  acompanhávamos o desmantelamento do sistema de apartheid legal que as pessoas tinham lutado contra tão difícil e uma das formas mais brutais de segregação que o mundo já viu, e vamos ser claros, com base no segregação americana. E assim é neste momento em que este país que o mundo inteiro olhava o desmantelar da segregação legal, que a Disney põe para fora um filme cuja mensagem toda é “se você não segregar as pessoas a seu devido lugar, então tudo será destruídos. ”

SM: Você já fez um monte pensando sobre a Disney e também é uma escritora, então aqui está uma pergunta difícil. Muitas crianças assistem os filmes da Disney , não há como escapar deles. Se você pudesse escrever um filme da Disney, você tem uma idéia para sobre o que seria o seu filme?

WI: Não, porque eu acho que, mais uma vez, qualquer coisa que [sai] da Disney é quase irreconhecível do que se passa. Eu acho que o ponto sobre não ser capaz de escapar da Disney é uma boa. Eu tenho ensinado esta disciplina em várias universidades há cinco ou seis anos e eu só tive dois alunos que nunca tinham visto um filme da Disney antes e ambos, os pais foram muito claros sobre isso. Mas ambos sabiam nomear todas as princesas da Disney e sabiam quase todas as falas cada filme da Disney. Eles vêem as caixas de almoço, eles falam com outras crianças na escola, se eles assistir TV e em tudo, eles verão a propaganda dos filmes lá. Então eu acho que a idéia de “apenas não deixar seus filhos assistir Disney” é completamente impossível nesta sociedade. O que eu acho que é mais útil – Henry Giroux fala sobre isso, ele tem um grande livro chamado “O rato que ruge” – se equiparmos as crianças com a análise mediática, a capacidade de realmente pensar criticamente sobre o que eu estou vendo, sobre quais mensagens são enviadas sobre mim e o mundo, e se eu quero interiorizar essas mensagens? Ou eu acho alguma coisa é diferente [do passado nos filmes]? O caminho número um onde a educação acontece neste país não é nas escolas, é através do entretenimento. Essa é a forma como as crianças estão aprendendo sobre si mesmas, sobre como o mundo funciona, sobre quem cada um deveria ser. Se eles não têm a análise mediática, eles caem na armadilha da Disney aceitar o que está sendo dado a eles como a maneira que as coisas são, em vez de dizer: “Não, eu não quero aceitar isso.”

 

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Um tardio post sobre o Oscar 2015

O BiDê mudou de casa, além deste ser o primeiro post na casa nova (seja a virtual, seja a real) é também meu primeiro post em 2015. Estou bem feliz com estas duas mudanças. Mas agora vamos ao que interessa.

Desde o Oscar 2015 tenho pensado sobre liberalismo e feminismo. De como a apropriação dos movimentos, ideologias e afins por parte da sociedade capitalista é algo cotidiano, tornando fundamental a reafirmação de premissas ideológicas básicas.

O novo feminismo, para mim nada mais passa do que um feminismo liberal, onde o importante é ter mulheres em espaços de poder e pouco importa se elas oprimem e exploram outras mulheres para manter seu staff de glamour. O novo feminismo cheio de purpurina e que ocupa espaços da mídia burguesa com a máxima: cada uma pode ser o que quiser; não bebe mais e nada a mais no velho calvinismo ou do próprio luteranismo, nos quais cada um, se trabalhar e seguir seu destino, terá o sucesso devido. (O novo feminismo ou a boa e velha cooptação nossa de cada dia)

Algumas reflexões sobre a premiação do dia 22 de fevereiro poderiam nos ajudar a entender o que é palatável ou não para o status quo. A primeira delas é o fato de que “Selma” de todos os filmes ganhadores do Oscar foi um dos que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas menos ajudou a divulgar. Tanto que o filme foi indicado há apenas uma categoria do Oscar 2015, acredito ser sintomático.

Os EUA enfrentaram em 2014 uma série de mobilizações questionando a violência policial e o genocídio da juventude não-branca daquele país. E o discurso proferido por John Legend e Common aponta justamente isso: O fato de haver hoje mais negro encarcerados nos EUA do que na época da escravidão. O discurso ganhou força por conta da conjuntura que vivemos no mundo, não é apenas nos EUA que avança o processo de criminalização e genocídio da juventude negra. O racismo e a xenofobia tem avançado e recrudescido de forma internacional.

No dia 22 de fevereiro de 2015, durante a premiação do Oscar no Teatro Dolby, dois discursos importantes foram feitos. Um foi recebido com entusiasmo pela platéia ali presente, o outro recebido com um silêncio ensurdecedor. Patricia Arquette acertou ao reivindicar a equidade salarial entre os gêneros, porém o peso social e político do discurso de John Legend & Common em nada era palatável para uma platéia liberal-progressista como a do Oscar 2015. Quantas mulheres negras pelo mundo conseguem ter o privilégio de pisar no tapete vermelho do Oscar ou de qualquer outra premiação?

A localização social dos discursos, a construção da disputa de consciência junto a sociedade passa também por compreendermos a limitação de alguns discursos e essa limitação não significa que o debate seja inócuo ou desnecessário, apenas que se limita a um determinado setor da sociedade.

Temos um desafio muito grande, inclusive por que a direita tem ganhado espaço pelo mundo e espalha como rastro de pólvora o racismo, machismo, LGBTfobia, xenofobia e exploração de classe. O desafio é conseguir compreender qual setores sociais são os mais afetados pelas políticas de austeridade, segurança pública, etc. O desafio é conseguir disputar corações e mentes para que se compreenda quais privilégios as pessoas tem sobre as outras, mas também de apontar como o Estado burguês se beneficia profundamente com as nossas opressões e mazelas.

Não há como existir feminismo sem anti-racismo, sem LGBTfobia e sem socialismo. E nenhuma dessas coisas tem como existir sem o feminismo.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Um quebra cabeça chamado Denarc na Cracolândia

Essa semana fez dois anos que desocuparam o Pinheirinho a mando do governo Alckmin, só este fato já deveria ser o suficiente para refletir e cobrar o tucanato sobre essa política de gentrificação e higienismo que assola o estado. Além disso estamos em pleno e fervoroso debate sobre os rolezinhos e a segregação que vem se revelando em diversos centros comerciais da cidade.

Pois bem, faltava a cereja do bolo e ela foi colocada nesta quinta-feira através de uma ação “surpresa” do Denarc na Cracolândia, onde mais de 30 pessoas foram detidas.

Houve confronto, bomba de gás e uso de bala de borracha. O Denarc nega e a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo afirmam que não foi usado bala de borracha na operação.

A Secretaria da Segurança Pública esclarece que foi legítima a ação realizada nesta quinta-feira na Cracolândia. Houve resistência, três policiais foram feridos e três viaturas danificadas. Os policiais buscaram reforço e realizaram quatro flagrantes por tráfico de drogas. O Denarc não possui e não usou bala de borracha na ação. (Nota oficial da SSP sobre o caso)

A Prefeitura de São Paulo, por outro lado, afirma que na operação o Denarc fez uso do armamento que oficialmente não possuiria.

A Prefeitura repudia esse tipo de intervenção, que fez uso de balas de borracha e bombas de efeito moral contra uma multidão formada por trabalhadores, agentes públicos de saúde e assistência e pessoas em situação de rua, miséria, exclusão social e grave dependência química. (Nota oficial da Prefeitura sobre o caso)

Ao ir para a Cracolândia e conversar com alguns moradores ouvi muitas vezes que as pessoas ouviram barulho de tiro e de bomba na região, além de ter ferido algumas pessoas.

Neste vídeo aqui, feito pelas câmeras que a Prefeitura de São Paulo, há imagens da hora que o reforço do Denarc chegou à Cracolândia. No minuto 3 do vídeo sai de uma das viaturas um homem vestido de vermelho e carregando uma arma e no minuto 3:40 aparece um cara de vermelho apontando o mesmo objeto para as pessoas que estavam no “fluxo” da Cracolândia e depois passa a arma para um outro policial que estava de colete.

Polícial Civil desfila pela Cracolândia portando arma. JF Diório/Estadão

Polícial Civil desfila pela Cracolândia portando arma. JF Diório/Estadão

Em reportagem publicada no Estadão há uma foto em que aparece um dos policiais que estavam na ação andando com uma arma por onde estava o “fluxo”.

Segundo a delegada, as espingardas calibre 12, usadas para disparar balas de borracha, vistas no local estavam descarregadas: “Nós estamos sem bala de borracha. Nós fizemos o pedido, mas elas ainda não chegaram. [A espingarda] Era só para intimidar”. (Policiais civis de SP são suspeitos de comandar tráfico na cracolândia)

Houve gente que saiu ferida, segundo relatado na reportagem do Estadão, por bala de borracha.

Conversando com gente lá na região tive a confirmação de que pelo menos uma moça de 23 anos ficou ferida, foi atingida na cabeça. O morador com quem conversei também afirmou que uma criança havia ficado ferida, porém ele não sabia precisar de quem ela era filha e onde morava exatamente.

Ferimento que seria resultado da ação do Denarc na Cracolândia em jovem de 23 anos

Ferimento que seria resultado da ação do Denarc na Cracolândia

Ferimento que seria resultado da ação do Denarc na Cracolândia

Ferimento que seria resultado da ação do Denarc na Cracolândia em jovem de 23 anos que estava no local

Não é a primeira vez que a Cracolândia é alvo de ação violenta por parte do poder público, em 2012 com a Operação Integrada Legal os usuários, moradores e afins tiveram que lidar de forma mais ostensiva do que o normal, inclusive dificultando o trabalho de diversas iniciativas não punitivistas que existiam e existem naquela região.

A ação “surpresa” do Denarc na Cracolândia nesta quinta-feira, cheia de abusos, com uso de armas não letais para acuar os que frequentam a região só demonstra cada vez mais o quanto o Estado não consegue lidar com a situação sem se valer da repressão, gentrificação, do higienismo social e da profunda criminalização da pobreza para poder lidar com a questão das drogas.

No fundo o que recrudescer naquela região é pelo fato de que boa parte da população paulistana encara os frequentadores da Cracolândia como não humanos, então ser mais violento ou menos violento, respeitar as leis ou não é o de menos quando se trata de não humanos.

Moradores da região entrevistados pelo GLOBO há duas semanas, antes do início do programa da prefeitura e da retirada de barracas de madeira das calçadas da Alameda Dino Bueno, relataram diversos abusos cometidos por policiais civis na região, entre eles agressões e prisões arbitrárias por tráfico. (GUANDELINE, Leonardo. Denarc nega uso de bala de borracha e diz que ação na cracolândia foi ‘certíssima’)

Eu pelo menos tenho duas perguntas que ainda não foram respondidas:

– Se era uma operação cotidiana do Denarc, por que parte do poder público não tinha ciência dela?

– Se o Denarc não possui balas de borracha, como teve gente ferida por bala de borracha durante a operação (segundo os moradores)?

A ação do Denarc nesta quinta na Cracolândia só demonstra que o debate sobre segurança pública, truculência policial, militarismo e criminalização da pobreza não tange apenas a Polícia Militar, mas sim a toda uma estrutura de segurança pública que visa punir e manter o status quo de uma sociedade capitalista, machista e racista.

O desenrolar dessa história espero que seja para ser favorável aos que frequentam a Cracolândia e precisam realmente de auxílio e não criminalização, truculência estatal e racismo até o talo.

 

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Eike role!

É um absurdo! Na minha opinião, acabou a última opção de lazer dos paulistanos e dos que visitam nossa cidade”, contou Manssur. (“Estamos apavoradas”, dizem ex-participantes do ‘Mulheres Ricas’ sobre ‘rolezinhos’ em shoppings de luxo. AZANHA, Thiago)

Interessante que a mesma pessoa que diz estar apavorada com a juventude periférica indo usufruir dos shoppings centers é a mesma que se colocou contrária a PEC das Domésticas. Ou seja, zerou o debate do rolezinho com essas declarações da Regina Manssur.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Experiência científica em presos é o fascismo colocando as orelhas de fora

Não sou ativista de direitos dos animais, simpatizo, até por que tenho a consciência de que para uma mudança social profunda será necessário também modificar as relações com a exploração animal, pois estas muitas vezes estão ligadas a trabalho escravo também por conta do agronegócio e afins. Por estes motivos não queria entrar no debate sobre a experiência em animais, deixo isso para pessoas que debatem a questão animal com muita propriedade.

A questão é que hoje me deparei com o artigo da Cora Rónai n’O Globo falando sobre o tema e no texto ela verbaliza e publica o que até então só vinhamos ouvindo e lendo pelas redes sociais:

“Pesquisas já são feitas com voluntários, podem ser feitas em criminosos que desejem reduzir suas penas ou ainda em culturas de células humanas”. [grifo meu].

Quando eu leio uma passagem em um artigo defendendo a possibilidade de experiência científicas em seres humanos o que me passa pela cabeça é uma enorme interrogação. É inconcebível, para mim, pensar a liberdade de um ser vivo em detrimento do outro. Para além disso, a perspectiva em se apresentar a possibilidade de se fazer experiências científicas em pessoas que estão presas remete as piores heranças do nazifacismo.

Outras experiências repugnantes tinham por meta facilitar os objetivos raciais nazistas, com uma série de experiências de esterilização, realizadas principalmente em Auschwitz e Ravensbrueck. Lá, os” cientistas” testaram diversos métodos, com o objetivo de desenvolver um procedimento eficaz e barato de esterilização em massa de judeus, ciganos, e outros grupos considerados pelos nazistas como racial ou geneticamente indesejáveis. (As experiências médicas nazistas)

É preciso localizar exatamente a quais processos essas ideias “ingênuas” remetem e a qual tipo de sociedade ela ajuda a construir: Uma sociedade higienista, gentrificada e punitivista. No Brasil passamos por um processo profundo de encarceramento em massa e sob a égide de manter a ordem e a disciplina em nossa sociedade leva aos estabelecimentos carcerários aquilo que eu convencionei chamar de os indesejáveis. Ou paramos para pensar quem são os suspeitos que estão nestes estabelecimentos?

Em síntese, os pobres culpabilizados por um fracasso que lhes foi atribuído, passam a ser perseguidos e condenados pelos crimes dos quais são vítimas. A comprovação para esta tese estaria no índice desproporcional de despossuídos (negros, chicanos, árabes) nas penitenciárias públicas dos países centrais. (NKOSI, Deivison. O Encarceramento em massa e os aspectos raciais da exploração de classe no Brasil)

O recrudescimento do encarceramento em massa e agora este sentimento  que o episódio do resgate de animais no Instituto Royal de que experiências científicas em detentos só corroboram com um projeto: O do genocídio da população negra e periférica. Ora, os capitalistas em outros países já se deram conta que o processo de apenas punir a sociedade, ao invés de dar instrumentos para que realmente haja combate de preconceitos, opressões e discriminações é muito mais rentável do que garantir direitos sociais e emancipação da população mais empobrecida: é melhor criminalizar do que garantir direitos.

Assim como Kirkman, ativistas sociais e grupos ligados aos Direitos Humanos acusam o governo e a iniciativa privada de promover uma “máquina”, que “gera pobres e marginalizados” para serem enviados à prisão mais tarde. “É um sistema de encarceramento massivo. Ou seja, você precisa promover a pobreza e não oferecer suporte – como educação de qualidade. Então, não resta outro caminho a não ser a criminalidade e, depois, a prisão. É um círculo que ajuda a manter as penitenciárias privadas lucrando”, afirma o ativista norte-americano Michael Snyder. (CALIXTO, Dodô. Penitenciárias privadas batem recorde de lucro com política do encarceramento em massa)

Pergunto a todos que defendem essa lógica de poder fazer experimentos científicos em detentos, mas em especial para Cora Rónai: As denuncias apresentadas pelos ativistas que resgataram os animais no Instituto Royal era de que estes seres vivos apresentavam tumores, iam ser executados e precisavam de cuidados médicos, tudo bem isso acontecer com uma população encarcerada que na sua maioria é negra? Tudo bem verbalizar racismo na ânsia de haver um mundo melhor? A perspectiva de direitos dos animais e direitos humanos não deveriam andar em conjunto?

Não é uma via plausível pautar que seres humanos que são socialmente marginalizados há séculos sirvam para experiências científicas sejas quais forem, assim como não é plausível fazê-las em outros seres vivos. Ou a opressão de um justifica a opressão do outro?

Essa agenda de abrir vias para aprofundar o genocídio da população negra e periférica é facista. Não há outro nome para qual ideologia essa lógica aponta, defender experiências científicas em uma população historicamente excluída e vítima de um sistema penal perverso. É a mesma coisa de dizer que “bandido bom é bandido morto”, ou que direitos humanos é coisa para garantir direito de bandido.

É preciso fazer o debate dos direitos dos animais? Com certeza. Mas não em uma perspectiva que aprofunde a política de encarceramento em massa, de racismo institucional, extermínio da população negra e periférica, gentrificação, higienismo e tantos outros instrumentos políticos que só visam manter a exclusão social e intensificar o populismo penal midiático para recrudescer ainda mais o estado de barbárie que nossa sociedade vive atualmente.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather
No more posts.