Relato sobre a votação em 1º turno do PME de São Paulo

Precisava escrever um relato sobre o que eu vi ontem durante a votação em 1º turno do Plano Municipal de Educação, acabei chegando só na hora que já os oradores estavam falando no plenário, não consegui chegar antes por que precisava cuidar de umas questões pessoais. Para quem não sabe, além de militante feminista, do movimento negro e do PSOL também sou mãe de uma menina que está no 1º ano de uma Escola Municipal de Ensino Fundamental.

Ao chegar na Câmara de Vereadores era visível quem realmente investe dinheiro nesta disputa: os conservadores, todos pagos para lá estarem fazendo um coro pró violência. Além disso, enquanto o carro dos movimentos LGBT, juventude, feminista, negro e de educação nós víamos a diversidade, a pluralidade política, de identidade de gênero, orientação sexual e raça era algo que podíamos ver por toda parte. Do lado conservador apenas falavam pastores, padres, só no final uma vereadora falou, todas as outras intervenções foram de homens.

A primeira questão é que não apenas o debate sobre orientação sexual, identidade de gênero e gênero que foi limado do projeto. Ontem aprovaram junto uma série de coisas que entrega a educação infantil, principalmente as CEIs, nas mãos das igrejas ao ampliar o número de creches conveniadas além da retirada da parte que falava sobre repassar 30% do orçamento municipal para a educação. Destaco isso por que precisamos compreender que a retirada da questão de gênero e orientação sexual do PME vem em conjunto com um processo de desmonte cada vez mais profundo da educação pública em nossa cidade.

A segunda questão é que dos 55 vereadores, 44 votaram a matéria. 42 votaram de forma favorável ao PME com vistas a construir um substitutivo e 2 votaram contrários ao PME (Ricardo Young e Toninho Vespoli). Destaque para as falas hipócritas dos vereadores petistas que destacavam a importância do debate, mas votaram em conjunto com a direita machista, LGBTfóbica e racista o PME que não apenas rifa a questão de gênero, mas aprofunda o sucateamento da educação pública do nosso município.

Destaque para a postura arrogante de Paulo Fiorilo que ao votar com a direita começou a falar para nós que lá estávamos defendo todos os tipos de família, uma educação pública de qualidade e laica e o direito das crianças a viverem em ambientes que não perpetuem ciclos de violência (machista, LGBTfóbica e racistas) não tínhamos lido o PME como um todo. Tanto foi lido, quanto sabemos que ataca o direito de nossas crianças como um todo, entendeu chuchu?

Os argumentos da bancada conservadora eram de um naipe horroroso, como de costume, dentro de todas as bobagens que falavam ajudavam a ignorar que, por exemplo, a maioria das famílias brasileiras não são compostas por um homem, uma mulher e filhos. Na verdade, a maioria das famílias brasileiras são de mães pretas e solteiras, fora isso temos uma diversidade tão grande de composições familiares que a defesa feita pelos conservadores chega a ser uma piada.

Uma outra questão fundamental apontarmos é: a votação feita ontem ajuda a manter um ciclo de violência nas escolas que precisa ser rompido. Só lembrar de diversos casos de imagens privadas de meninas que vazam e elas são vítimas de chacotas, perseguição e afins na escola. Não vamos debater isso? Vamos efetivamente deixar nossas crianças e adolescentes sofrerem com violência psicológica até não aguentarem mais e se matarem? Belo cristianismo esse de vocês, viu? Que preferem ver as crianças sofrendo a realmente abrir um debate necessário para formar professores, equipe técnica e afins de CEIs, EMEIs e EMEFs.

Gostaria de dizer que a decisão ontem da bancada do PT e da bancada conservadora atua perversamente no boicote que deve ser o debate da sexualidade em um momento de retomada da epidemia de AIDS entre a juventude, limar este debate é fechar os olhos e lavar as mãos na questão de combate e conscientização dos adolescentes no que significa o HIV e a AIDS. Além disso essa é uma luta de todos nós, não apenas do movimento LGBT, pois assim como não debatemos a LGBTfobia nas escolas, também não debatemos a questão racial (e olha que isso é previsto na LDB e não é cumprido) e também não debatemos violência machista. Faz parte da formação das nossas crianças e da educação pública e onde se encontram a maioria da juventude negra de nossa cidade.

A defesa é a defesa de que as igrejas não lucrem mais com o processo de privatização terceirizada da educação pública, é a defesa de que nossos filhos, sobrinhos e primos não continuem expostos a um ciclo de violência cotidiana e de não sermos coniventes com violências que levam as crianças e adolescentes ao suicídio. É a defesa de direitos de todas as famílias brasileiras e da vida em sua plena diversidade.

Ontem 42 vereadores votaram contra as crianças, contra a educação pública e pela intolerância, foi isso que eles fizeram. Mas não deixaremos passar em brancas nuvens, até o dia 25 de agosto continuaremos a nos movimentar, apresentar o debate que envolve o PME em sua completude em todos os espaços da sociedade para demonstrar o quão hipócritas a maioria dos vereadores de SP são, pois para justificar dinheiro para as igrejas jogaram no lixo os direitos civis e a educação pública!

É POR TODAS AS FAMÍLIAS! CONTINUARÁ A SER POR TODAS AS FAMÍLIAS!

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Agenda Brasil: o ovo da serpente chocando

Política é uma vida louca, seja a dinâmica dos movimentos sociais, seja a institucional e no último período essa vida louca tem criado mais reviravoltas ainda. Um dos primeiros apontamentos dessas reviravoltas é o editorial d’O Globo em defesa do governo Dilma, começou então um processo de saída da crise política – por que a saída da crise econômica tá longe de aparecer – mediada com os setores da direita brasileira que há décadas continuam ditando as regras do jogo no Brasil. Ou seja, a saída para a crise política instalada pela “Operação Lava-Jato”, Eduardo Cunha e ajuste fiscal é a de repactuar a qualquer custo o projeto da conciliação de classes.

Vale pontuar uma questão essencial. Para a lógica especulativa do capital financeiro, é péssimo ter uma alteração no comando do país em meio a uma crise (ou melhor, a um conjunto de crises) tão intensa, especialmente na economia, na visão desse segmento. Isso poderia ampliar a tensão social, cujo rumo que poderia tomar é pouco previsível. Do mesmo modo, ao agronegócio também não interessa a mudança, já que é este projeto político que tem garantido as bases da expansão do setor – que teve orçamento ampliado, enquanto os cortes lineares atingiram áreas como Educação. Também a construção civil, mergulhada na crise, não tem força alguma para sustentar esse movimento. Para o capital, parece melhor permanecer pressionando e ocupando lugares absolutamente estratégicos no governo, como bem exemplificam Levy e Kátia Abreu. (O revelador editorial d’O Globo em defesa de Dilma)

A apresentação de uma saída para a crise econômica e política por meio do presidente do Senado, Renan Calheiros, no final desta segunda-feira (10/8) com a tal “Agenda Brasil”, já rubricada pelo governo federal via o ministro da fazenda, aponta um aprofundamento da política de que os trabalhadores e minorias sociais devem pagar pela crise e não os grandes empresários brasileiros. Dos pilares que armam a “Agenda Brasil” está rever a política de demarcação de terras indígenas, a regulamentação da terceirização (que vinha tramitando já como PL4330), aceleração da liberação de licenças ambientais em casos de grandes obras e a ampliação da idade mínima para aposentadoria. Ou seja, medidas que efetivamente atacam setores em grande vulnerabilidade social.

A tal “Agenda Brasil” não apenas afeta diretamente os caminhos de saída da crise econômica, mas também pode significar algumas mudanças no xadrez da “Operação Lava-Jato”. Sabe por que eu falo isso? Por que apesar do bonito discurso de poderes independentes é notório que a questão do combate a corrupção influência diretamente na crise política instaurada no congresso nacional e com o desenrolar dos processos de delação premiada é possível aparecer denuncias contra figuras importantes do PMDB que não apenas Eduardo Cunha, e isso ajudaria numa instabilidade política maior do governo por conta dessa saída conciliada e que rifa, como de costume, pautas caras aos movimentos sociais em geral.

Acabamos reféns no Congresso Nacional da governabilidade, a qual tinha na sua base partidos conservadores – incluindo aí o PSC que neste pleito foi compor o projeto que melhor representa o conservadorismo brasileiro: Aécio Neves. Vimos aí cair por pressão da base do governo no Congresso Nacional o kit anti-homofobia e a queda da portaria do Ministério da Saúde sobre casos de aborto legal já existentes no Brasil. De mãos atadas, é isso que podemos constatar. De mãos atadas por conta da tática adotada para conseguir chegar a presidência do país. (Eleições 2014, ou, o ovo da serpente)

A verdade é que mesmo a conjuntura estar turbulenta e não dar para falarmos sobre quais os desfechos esse processo de crise política e econômica irá dar. Não podemos fechar os olhos para o fato de que o ovo da serpente gestado nos últimos 12 anos de governo petista chocou e é preciso ter firmeza para combater esse recrudescimento conservador que eclode das articulações para manutenção da estabilidade do governo. É preciso construção de uma terceira via que não seja a direita clássica ou a conciliação de classes, mas para isso ocorrer não podemos negar o recrudescimento conservador brasileiro seja dentro ou fora do governo federal que só ajuda a aumentar o processo de retirada de direitos no Brasil.

É preciso ser contundente seja contra a agenda do ajuste fiscal adotada  pelo governo federal que coloca a conta da crise em cim da quem luta para sobreviver todos os dias e do conservadorismo tacanho que toma as ruas colocando a culpa do desemprego em imigrantes ou esfaqueia transsexuais.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Pitacos sobre os dias 13 e 15 de março

[wpdevart_like_box profile_id=”” connections=”6″ width=”300″ height=”550″ header=”1″ locale=”pt_BR”]
Vamos lá. Fui à Paulista tanto no dia 13 e 15 de março para ver as duas manifestações marcadas. O tamanho da manifestação do dia 15 de março era, de longe, maior do que a manifestação em defesa da democracia do dia 13 de março.

O fato é de que o ato do dia 13 de março chamado pelas centrais sindicais e entidades aliadas ao governo Dilma foi um dos maiores atos sindicais que eu vi nestes últimos 10 anos. Inclusive por que no começo do ano houve ato reunindo todas as centrais brasileiras contra as medidas de Dilma que retiram direitos trabalhistas do povo brasileiro e não era nem a metade do ato do dia 13 de março.

Apesar da dificuldade do Governo Dilma em lidar com temas ligados aos direitos humanos como o combate à homofobia, a legalização do aborto, demarcação de terras indígenas, etc… Era possível encontrar reivindicações ligadas a estes grupos de opinião. Coisa muito diferente do dia 15 de março.

Importante salientar que: o governismo consegue mobilizar suas bases quando é de interesse.

No dia 15 de março a  primeira coisa visível era a pauta única do “Fora Dilma”, com nuances variando do impeachment e a intervenção militar – mesmo que a reivindicação de intervenção militar seja ilegal e ataque a Constituição de 88. Diziam que não tinha organização civil compondo a manifestação, porém pelo menos dois carros de som do Solidariedade (novo partido do Paulinho da Força) estavam por lá.

A grande mídia falava muito em manifestação pacífica, em relação a confronto entre manifestantes e polícia foi real, porém a quantidade de violência simbólica ali colocada era enorme. Mandavam a Dilma tomar no cu, e amiguinhos mandar tomar no cu como se fosse algo ruim é homofobia, chamavam o Lula de cachaceiro enquanto tomavam stella artois e heineken.

Os metrôs estavam tão lotados quanto nos horários de rush. Há notícias de que as catracas foram liberadas para conseguir garantir a vazão das pessoas. Pedido que em 2014 havia sido feito durante a greve dos metroviários para haver negociação com o governo Alckmin, mas foi negada por parte do tucanato.

Os intervencionistas tinham dois carros de som na Paulista. Abriram o microfone para o torturador Carteira Preta fazer uma saudação, na qual ele incitava o golpe militar. O mesmo foi feito por um senhor que esteve na Marcha da Família com Deus fez uma fala reivindicando o golpe militar, isso onde tinha a maior concentração de pessoas que era na frente do MASP.

Acredito que a maioria das pessoas presentes na Av. Paulista não defendem a intervenção militar, porém tenho lá minhas dúvidas se esses milhares de manifestantes estariam na rua para evitar uma intervenção militar caso ela ocorresse.

No geral a maioria era da classe média alta, gente com cara de executivo e mulheres com cara de socialites. Mas tinha povo também, porém é bom lembrar que povo também pode ser de direita. Havia reivindicação de fora todos os corruptos e falando do PSDB e PMDB, mas eram coisas muito marginais dentro da manifestação.

Vi reivindicações nos cartazes de colocar o PT na ilegalidade, redução da maioridade penal, intervenção militar e impeachment. Nenhuma letra sobre a corrupção tucana, nenhuma lembrança sobre a crise da água aqui em São Paulo.

Era muita máquina funcionando ali, pessoas achavam de boa ter caminhões de empresas com gente que tava no ato, mas achavam ruim organizações política, e pra mim isso demonstra a crise de institucionalidade grande que vivemos. Em todos os carros de som só falavam homens praticamente, a maioria brancos. Teve gente que levou panelas, numa alusão ao panelaço do dia 8 de março.

Vi LGBTs, mulheres e negros na manifestação fazendo coro aos que defendem os militares e me peguei pensando o quanto isso não ajuda nada, porém não vi nenhuma bandeira LGBT, feminista ou anti-racista pelo rolê, só bandeiras do Brasil e gente com a blusa da CBF (ou que é de uma ironia tamanha é a corrupção que existe nessa organização há anos). Apesar da pauta de “Fora Dilma”, não dá para dizer que era um ato politizado, a pauta era genérica e não questionava efetivamente nada da política econômica ou de desenvolvimento do governo Dilma. Nem poderia, pois boa parte da agenda neoliberal tem sido aplicada neste começo de segundo mandato.

Houve vários momentos ali na Paulista que eu fiquei com medo, dizem que são pacíficos, mas o discurso é de um ódio de classe, é machista, LGBTfóbico e racista. Como ser pacífico gritando violência?

Creio que seria muito bom o governo romper de vez com setores da direita e se comprometer com uma agenda que beneficie a classe trabalhadora, mulheres, LGBTs, negros… Reformas de base de verdade e não puxadinhos pactuados com a direita.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

Eleições 2014, ou, o ovo da serpente

O NASCIMENTO DA FILOSOFIAPensei muito antes de sentar na cadeira e escrever o que eu penso sobre os rumos políticos que o Brasil vem tomando e que se refletiram no processo eleitoral deste ano. Confesso que há muita coisa que me assusta no cenário com que nos deparamos e o que mais me assusta é a profunda despolitização existente no Brasil, e não estou falando de uma burguesia tola que repete palavras de ordem que não tem sustentação alguma na realidade. Me assusta o fato da classe trabalhadora brasileira estar mais conservadora também, incluindo aí o fato de não se reconhecer mais como classe, mas apenas pensar dentro do seu próprio ganho individual e isso deveria ser alvo das maiores preocupações daqueles que se arvoram direção política de alguma coisa no Brasil.

Acho que no último período, com a redemocratização do país e com as poucas vitórias que conseguimos arrancar durante a Constituinte de 88, foi gestado um Ovo da Serpente por parte da esquerda brasileira. Óbvio que eu acredito que alguns setores possuem mais responsabilidades do que outros, porém uma coisa é fato: O superestruturalismo, o vanguardismo e a burocratização legaram para esquerda um pepino gigantesco.

A campanha deste segundo turno foi marcada por uma polarização que não víamos desde 1989. Mas diferente de 1989 – quando Lula falava em suspender o pagamento da dívida pública e em fazer reformas estruturais – agora não estavam em jogo projetos tão antagônicos. (BOULOS, Guilherme. O terceiro turno)

Não, Dilma e Aécio não são a mesma coisa, inclusive por que possuem trajetórias diferentes e isto pesa para a direita escolher em quem confia realmente para manter as coisas sob-controle no Brasil. Mas há um fato importante a ser levado em conta: nem toda direita estava ao lado de Aécio nestas eleições e nos últimos 12 anos parte dela esteve assegurando a governabilidade do governo petista, assim como assegurou a governabilidade no governo tucano. Constatar isso é importante inclusive para entendermos o por que os setores que ascenderam a classe média durante o governo petista apresentam muitas vezes discursos conservadores.

Ora, não é de agora que diversos movimentos sociais apontam que a sociedade estavaovoserpente vivendo sob um processo de recrudescimento conservador. O episódio dos recuos no PNDH3 por parte do governo em 2010, ano eleitoral, de temas relativos aos direitos das mulheres, LGBTs, indígenas, democratização da comunicação e reforma agrária já demonstrava que mesmo a direita entre ela ter discordâncias mil sobre diversos temas que cercam a política na hora de blocar para discussões que possam avançar de forma mais totalizante a consciência de classe eles não titubeiam.

Acabamos reféns no Congresso Nacional da governabilidade, a qual tinha na sua base partidos conservadores – incluindo aí o PSC que neste pleito foi compor o projeto que melhor representa o conservadorismo brasileiro: Aécio Neves. Vimos aí cair por pressão da base do governo no Congresso Nacional o kit anti-homofobia e a queda da portaria do Ministério da Saúde sobre casos de aborto legal já existentes no Brasil. De mãos atadas, é isso que podemos constatar. De mãos atadas por conta da tática adotada para conseguir chegar a presidência do país.

A questão é: A forma de disputar política da esquerda não tem como ser a mesma forma de fazer política da direita pelo simples fato de que para disputarmos consciência de classe contra uma hegemonia burguesa é preciso o cotidiano da organização, é preciso criar os espaços e os meios para isso. É preciso aprofundar a democracia de uma forma radical para que o fazer político esteja cada vez nas mãos do povo e criar condições para se avançar nos ditos temas polêmicos.

Congresso Nacional BrasiliaTalvez tenhamos que lembrar que não existe espaço vago na política, que ao não nos posicionarmos e criarmos condições de diálogo sobre temas que aumentam a igualdade em nossa sociedade e reparam distorções estruturais nós damos espaço para se perpetuar um senso comum conservador. Inclusive entre os nossos.

O carro-chefe das reformas era, sem dúvida, a reforma agrária que visava eliminar os conflitos pela posse da terra e garantir o acesso à propriedade de milhões de trabalhadores rurais. Em discurso por ocasião do encerramento do 1° Congresso Camponês realizado em Belo Horizonte em novembro de 1961, João Goulart, afirmou que não só era premente a realização da reforma agrária, como também declarou a impossibilidade de sua efetivação sem a mudança da Constituição brasileira que exigia indenização prévia em dinheiro para as terras desapropriadas. (FERREIRA, Marieta de Moraes. As reformas de base)

Estamos entrando no 4º mandato do governo petista e, infelizmente, reformas estruturais importantes que, inclusive, ajudariam a aprofundar as vitórias que os movimentos sociais alcançaram durante este último período não foram feitas: democratização da comunicação, reforma agrária, reforma urbana, tributação de grande fortunas, desmilitarização da polícia, demarcação de terras indígenas e quilombolas e tantas outras. Além obviamente das pautas civis, entre elas a legalização do aborto, casamento civil igualitário e a legalização das drogas.

Na disputa de posição entre organizações políticas na superestrutura talvez tenhamos perdido o que há de mais rico na formação da esquerda brasileira nos anos 80: a necessidade de não apenas disputar na superestrutura, mas também disputar a sociedade para o avanço da consciência de classes.

Podemos sentar horas em uma reunião para discutir uma vírgula de documento, mas documentos por si só não se refletem em avanço de consciência. Tanto que nós que viemos da tradição de estar nas ruas para pressionar quando junho de 2013 estourou ficamos maravilhados e ao mesmo tempo receosos com o grau de despolitização da massa e do como muitas vezes pautas conservadoras apareciam no meio das mobilizações.

junho20132014 e o segundo episódio de um processo em que as disputas políticas devem se acirrar e saber dialogar e disputar consciência é uma das tarefas do dia, primeiro por que a direita já dá sinais de que se por um acaso da vida o governo Dilma quiser apresentar qualquer projeto que ajude a avançar algo mais progressista no país eles blocaram para que isso não aconteça – só lembrarmos do quanto demorou para sair a votação do Marco Civil da Internet, né mesmo?-, segundo que para haver realmente mudanças profundas no Brasil é preciso que a esquerda esteja onde sabe pressionar e fazer política e este lugar são as ruas, mas não só, é preciso compreendermos o que significará solidariedade de classe e unidade da esquerda para o próximo período, pois a disputa com o conservadorismo já é dura e tende a ser pior.

Acho que precisamos lembrar que os limites de avanço em um estado burguês são os limites que a burguesia dá para qualquer governo mais progressista que se proponha a gerenciar o estado. O ovo da serpente no Brasil não cresceu fora do governo social-liberal do PT, cresceu dentro dele, ocupando ministérios e base de governo no Congresso Nacional e não levar isso em conta e apenas fazer uma agitação ufanista sobre o governo é irresponsabilidade.

Por fim: Não se faz disputa política contra o conservadorismo e luta social dentro de 4 paredes, seja ela qual for. Parlamentares, sindicatos, DCEs ou a forma de organização que for não devem ter um fim em si mesmos, mas sim ter como fim a emancipação de uma classe trabalhadora diversa e desigual entre si mesma. E pra isso o combate a burocratização e vanguardismo se faz essencial.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather

A militarização da vida nas eleições presidenciais

Durante o debate político entre as candidaturas a presidência da república que aconteceu no SBT, exatamente no 2º bloco, deu para perceber bem o quanto a questão de segurança pública – que é fundamental para garantir a estruturação de qualquer projeto de sociedade seja ele qual for – de Dilma e Aécio compartilham profundamente da perspectiva de guerra às drogas e de militarização da vida para assegurar segurança pública. Jogam novamente com a lógica de que segurança é apenas polícia e não apresentam propostas de mudanças estruturais profundas na forma que nossa segurança pública se apresenta hoje.

genocidio_negro_by_latuff2

O primeiro ponto que impressiona é o fato de nenhum dos dois apontar que o alto índice de mortes junto a juventude no Brasil tem um recorte claro. Segundo o Mapa da Violência 2014 os homicídios de jovens no Brasil ultrapassam de 50% do número total de assassinatos ocorridos no país. Em pesquisa feita pelo IPEA em 2013 o instituto apontava que 70% dos assassinatos no Brasil eram de negros, ou seja, quando o debate sobre segurança pública apareceu ontem na peleja entre Aécio e Dilma também se escondeu que o Estado em que vivemos organiza sua segurança pública para manter os negros e indígenas no cabresto.

Se corrida presidencial trouxe para a ordem do dia o debate sobre a redução da maioridade penal, pouco se tem falado sobre a exposição dos jovens à violência e sobre as execuções praticadas contra adolescentes em São Paulo e no Brasil. O “mito do adolescente violento” transforma o jovem, negro e morador de periferia em uma espécie de bode expiatório da sociedade. Poucos estigmas no mundo são tão mortais. (MANSO, Bruno Paes. Pelo fim da pena de morte aos adolescentes. O caso São Remo)

A continuidade de uma política de segurança pública baseada no tolerância zero em nosso país ficou explicita durante o 2º bloco do debate presidencial no SBT. A omissão de Aécio e Dilma de que há um processo de genocídio da juventude negra e indígena, promovido prioritariamente por braços ligados aos governos federal e estaduais foi gritante.

E só pegar os documentos de programa de governo dos dois candidatos para ver como a estrutura de segurança pública que temos visto se recrudescer com UPPs, Forças Armadas prendendo gente em favelas, guerra às drogas e militarização da vida. No programa de governo da Dilma (não sei onde Aécio procurou, por que eu achei o  dito, mesmo levando algum tempo) ela aponta que a Força Nacional continuará a dar suporte a operações nos estados. Bom lembrar que tanto na Copa das Confederações e do Mundo a Força Nacional foi responsável em diversos estados por reprimir manifestações diversas, além de ser usada nas áreas de conflitos indígenas.

unidade-de-policia-pacificadora

No programa de Aécio sobre o tema ele é enfático ao ressaltar a necessidade de se continuar ocupações militares em áreas periféricas. Além do apoio claro a Proposta de Emenda Constitucional proposta pelo seu candidato a vice, Aloysio Nunes, que reduz a maioridade penal no país. Afrontando claramente o direito de crianças e adolescentes e não dando uma saída civil para a marginalização sofrida nas periferias pelas crianças e jovens negros e indígenas.

Ambos apontam para necessidade de guerra às drogas. Sem levar em conta em nenhum momento que esta política no mundo foi organizada para garantir uma guerra aos pobres.

A “guerra às drogas” tem servido de pretexto para criminalizar a pobreza e militarizar a vida, especialmente nas periferias e favelas, proporcionando lucros astronômicos para o mercado financeiro (que “lava” o dinheiro do tráfico) e para a indústria de armas. Hoje, existem mais de 140 mil presos por tráfico nas cadeias brasileiras. A maioria jovens, negros e pobres, réus primários presos sozinhos com pequenas quantidades de maconha. A “guerra às drogas” é na verdade uma guerra aos pobres! (CINCO, Renato. Basta de guerra aos pobres! Por outra política de drogas. Legalização da maconha, já!)

O processo já em curso no Brasil de privatização dos presídios também é contemplado nos programas de governo e já há anos vem sendo criticado pela Pastoral Carcerária. Lembrando que em todas as recomendações colocadas sempre se aponta que o fortalecimento de uma gestão pública dos presídios, com garantia dos direitos dos presos e de direitos humanos ajudaria na recuperação e reinserção na sociedade.

A manutenção de políticas militarizantes e punitivas em conjunto com a existência de um Congresso Nacional mais conservador e militarizado deveria acender uma luz vermelha a todos que defendem direitos humanos em geral para a dureza que viveremos após o dia 26 de outubro, independente de quem venha ganhar.

Iniciaremos mais uma etapa no Brasil onde resistência pouca será bobagem, o militarismo e o punitivismo vem ganhando espaço na política brasileira há anos e não poderemos titubear pra enfrentar o cenário recrudescido que se coloca para nós.

Estas questões não são minoritárias, a forma como se organiza a segurança pública de um país é o método para garantir a implementação de qualquer projeto de sociedade e uma segurança pública que no último período só vem crescendo em arsenal militar e em perspectiva punitiva não deve ser encarado por quem defende liberdade democráticas e direitos humanos como uma vitória.

Facebooktwittergoogle_plustumblrmailby feather
No more posts.